Brasil: 29/04/2017 16:28  Itália: 29/04/2017 21:28
Escolha o circulo trentino do seu Estado
Circolo Trentino

A emigração trentina

História da Imigração

 

Por Everton Altmayer[1]

(Diretor de Cultura do Circolo Trentino di São Paulo)

 

 

A grande causa da emigração foi a crise no setor agrário, pois a economia tirolesa havia perdido mercado com o boicote italiano ao vinho do Vale do Rio Ádige (era uma resposta à Áustria quando esta perdeu os territórios de Milão e Veneza). Além disso, o serviço militar obrigatório que o governo austríaco impunha aos jovens, fez com que muitos ficassem durante longos períodos de tempo fora de casa; isso atrapalhava a economia familiar e várias famílias empobreceram. A Igreja apoiava a imigração, pois em muitos locais, pela falta de homens (que estavam no exército), as mulheres eram obrigadas a cuidar da economia da família e isso era encarado como algo indecente ou abusivo.

 

No final do século XIX milhares de tiroleses (principalmente trentinos) emigraram de suas terras em busca de melhores condições de vida (Grosselli, 2002). Eram em sua maioria camponeses e quase todos escolheram a América como destino; milhares seguiram para os Estados Unidos, Brasil, América e Austrália. Houve também emigrações para outros países europeus, como França e Alemanha, assim como para demais regiões do Império Austro-húngaro, como Vorarlberg (atual Áustria), Böhmen (Boêmia - atual República Tcheca) e Krain (atual Bósnia-Herzegovina).

 

No Brasil estima-se que o número de emigrantes seja próximo a trinta mil. Uma grande parte dos imigrantes trentinos seguiu para as lavouras de café de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo. Houve também uma pequena imigração na Bahia (Salvador), mas a grande maioria seguiu para o Sul, sobretudo para Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

 

Os nomes de algumas localidades coloniais no Brasil demonstram e comprovam a ligação histórica que uniu os dois grupos étnicos do Tirol, ou seja, os tiroleses de língua alemã e os de língua italiana (trentinos). Com o nome Tirol ou Tyrol existem várias localidades brasileiras: em 1859 foi fundada a colônia Tirol no Espírito Santo por tiroleses de língua alemã; na cidade catarinense de Nova Trento (fundada por trentinos), a localidade outrora denominada Ronzenari hoje se chama Tirol; na cidade catarinense de Rio dos Cedros, uma estrada colonial que a liga à cidade de Timbó é chamada Estrada dos Tiroleses; no Paraná, próxima a Curitiba, está a localidade Santa Maria do Novo Tyrol, fundada por trentinos.

 

 Curiosidade: "Hoje, após 130 anos da emigração trentino-tirolesa para o Brasil, estima-se que o número de descendentes trentinos alcance os 3 milhões de pessoas, o que corresponde a 10% da população de descendentes de italianos do Brasil".

 

[1] Everton Altmayer é Bacharel em Letras pela Universidade de São Paulo (USP) e pesquisador de dialetologia trentina, italiana e alemã, com mestrado Letras (USP / FAPESP). Também cursou Filosofia na Faculdade São Bento de São Paulo. Possui diversos estudos sobre a cultura e dialeto trentinos, e sobre as variedades dialetais do italiano no Brasil, com apresentação de artigos e seminários em congressos acadêmicos, com destaque para o 27º Congresso Internacional de Lingüística e Filologia Românicas (CILPR) realizado em 2007 na cidade de Innsbruck – Áustria. Desenvolve desde 2006 um projeto de resgate dialetal na comunidade trentina de Piracicaba, com organização de documentários informativos e de um dicionário. É membro desde 1999 do Grupo Folclórico Tirol da cidade de São Paulo, tendo desenvolvido atividades culturais e de resgate folclórico em comunidades tirolesas e trentinas do Brasil, Paraguai e Argentina. Desde 2002 é membro do Circolo Trentino di São Paulo e desde 2006 é Diretor de Cultura da entidade.

Encontro de jovens e círculos trentinos de Gaspar-SC
Encontro nacional de jovens e círculos trentinos realizado pela ATNM, em Gaspar-SC.

ufficio stampa

Mural

Veja todos os recados
Olá a todos. Gostaria de saber mais sobre a famíl ...
OSMIR LUIZ SARDAGNA JUNIOR
Joinville - 08/02/2016
Olá, Bom dia! Sou Alberto Perini Neto de Lavras, g ...
ALBERTO PERINI NETO
Lavras - 03/09/2013
I ENCONTRO DA FAMILIA DELLAI DIA 06/10/2013 EM SI ...
FRANCISCO DELLAI
ARARAS - 03/09/2013
Procuro informacoes sobre a familia Comper agradeç ...
EDERSON COMPER
Lebon Regis - 01/09/2013
NOME DO MEU AVO ANTONIO DALPRAT AVO´EMILIA LOTTER ...
SONIA MARIA DALPRAT DE HELD
VINHEDO - 23/08/2013
Aqui em Alfredo Chaves (ES) existe uma grande famí ...
RUZERTE DE PAULA GAIGHER
- 17/08/2013
Ola! posso te ajudar ? sou da família Pizzini , qu ...
GIOVANNA PIZZINI ZONTA
Sorocaba - 10/08/2013
buonasera,sono il nipote diGIAMPIETRO CARRARO E WA ...
PAOLO FERRAMOSCA DOMENICONI
cittadella - 27/07/2013
Olá Nayara como vai? Espero que bem! Gostaria de c ...
MARI
SAO PAULO - 20/07/2013
Ola Nayara, eu tbém sou descendente de trentinos, ...
JOAO STEPHANO
Londrina - 14/07/2013
Amanda peliciolli cantora e instrumentista canta e ...
AMANDA PELICIOLLI
LUZERNA S/C - 07/07/2013
Olá Paulo, Sou descendente de Marchi por parte de ...
DANIELA CAMPESTRINI
Joinville - 24/06/2013
Andressa, as irmãs de meu avo Orsola Anesi casou c ...
DANIL JOÃO ANESI
Blumenau - 21/06/2013
Ola Sou descendente dos Girardi e Stolf. Tenho al ...
SANDRA GIRARDI
Blumenau - 08/06/2013
Veja todos os recados

Enquete

Para solucionar o problema das “filas da cidadania” diante dos consulados italianos no Brasil, o governo italiano lançou a “task force”. O que você acha disso ?
Resultado parcial

Publicidade



E-mail:
Senha
Comunità trentina del Brasile
Comunità dei circoli trentini del Brasile - http://www.trentini.com.br/